Tags

Muitas vezes o principio do Hara não passa mais de um simples conceito abstrato. Porém, devemos tentar senti-lo e usar todo seu potencial na pratica do karatê (ou de qualquer outra arte marcial). Integrar o Hara na pratica modifica toda essa pratica pois age sobre o espírito ( numa aparência  de distanciamento, de afastamento frente a situação) e sobre as capacidades físicas

Pode parecer tão incrível como as imagens do vídeo acima, que mostram claramente os efeitos dramáticos que a concentração da  mente no Hara pode trazer.

No seu livro “Exercícios de iniciação em psicoterapia“, K. G. Duckheim oferece exercícios para sentir o hara e descobrir as potencialidades através de uma série de exercícios. Eis abaixo o que sugere para recentrar a sua energia e consciência no hara:

“O exercício fundamental para restaurar o centro de gravidade tem de ser dividido em quatro fases:

hara_seika_tanden1.devemos primeiro soltar os ombros já no começo da expiração;
2.Contrair ancorar a bacia, no final da expiração (…).
3. soltar um pouco a porção inferior do ventre. O que não significa soltar a barriga, mas  simplesmente relaxar levemente  o abdômen;

4. manter um pouco de força na região abaixo do umbigo. Para conseguir isso, o novato tem que empurrar o punho no abdômen abaixo do umbigo e remové-lo repentinamente. E deve perceber a grande força que está lá (…).
Essa força que se concentra lá, abaixo do umbigo, parece ser algo mais do que um simples fenômeno físico. (…) Os japoneses chamada essa força “Ki”, a força centrada no Hara. “

Este é apenas um primeiro exercício para descobrir e perceber melhor o Hara. Esse exercício é ainda mais proveituoso  quando dominando a respiração diafragmática pode ser visualizada a  respiração pelo abdomen e sentir a energia focada abaixo do umbigo. voltaremos ulteriormente sobre um estudo mais em detalhe da natureza do Hara…

Source le do dans le karate

Anúncios