Tags

,

si rokyuPor que permanecer relaxado ?

De todas as capacidades físicas, o relaxamento é certamente a mais importante pois permite ao praticante alcançar três dos principais objetivos das artes marciais:

 Esconder o anuncio da técnica

Perceber a ação do adversário

Economizar a própria energia

 A regra de ouro na luta é agir sem ser percebido. De certa forma, passa pela busca de um gesto « invisível » que impossibilitará qualquer defesa pelo oponente. Porem, nos devemos enxergar essa necessidade de relaxamento de um modo específico as artes marciais. Pois quando uma pessoa comum efetua um movimento, contrai habitualmente seus músculos. De tal modo a otimizar a eficiência da contração muscular, pode recorrer preliminarmente ao método do relaxamento. Assim pensamos a técnica utilizada pelo levantador de peso que imediatamente antes de concentrar toda a força na execução da sua rotina técnica, relaxa seus músculos nesse exato momento.

Qualquer que seja a potência que pode assim ser desencadeada,  esse método não tem verdadeiro interesso na luta marcial por ser demasiadamente óbvio e identificável pelo adversário. Na arte marcial, a ação deve nascer do próprio relaxamento. Nenhuma preparação sendo requerida para a descontração, sua efetividade é imediata e muito difícil para ser percebida.

 Se esconder seus movimentos é uma característica essencial da pratica marcial, perceber a movimentação do oponente é sua lógica e natural contraparte. Quem domina essa capacidade consegue abortar qualquer reação do seu oponente antes que ela seja desencadeada, ou até canaliza a  sua própria vantagem. Essa ação é também a resultante de vários processos físicos e mentais. Um deles é a capacidade de “sentir” com o corpo, uma habilidade intimamente relacionada ao relaxamento.

 Habitualmente os homens apenas percebem os movimentos quando eles são “grosseiros” ou chegando à fase final. Se, quando falamos de pegada ou até de golpe, perceber tal movimento nessa fase é concebível, embora desvantajoso,  significa a morte imediata frente a um corte de espada. O praticante deve desenvolver uma capacidade para sentir a menor intenção de ação enquanto surge um esboço de movimento. Para conseguir, é necessário conservar seu corpo numa condição de relaxamento, qualquer tensão excessiva atraindo a mente tal como um imã, impedindo a mesma a permanecer onipresente e sensível a mínima mudança.

Materiais científicas confirmaram que uma forte contração muscular assim chega a diminuição da sensibilidade.  “ A neuralgia do trigêmeo é uma doença comum. Ela ocorre com períodos de crise, que podem durar alguns dias ou semanas (seis meses), separados por períodos de acalmia de vários meses. Esta forma chamada de estável pode evoluir ao longo do tempo e levar a uma forma progressiva, onde os períodos de calma diminuem. Falamos de uma forma crônica com o aparecimento de sintomas vasomotores (vermelhidão dos olhos, olhos lacrimejantes, nariz escorrendo) adicionado ao fenômeno doloroso.Durante a crise, o paciente sente uma dor descrita intensa,insuportável. É um tipo de dor relâmpago, de dor paroxística, tal como uma descarga elétrica muito violenta. Estas explosões duram de alguns segundos a vários minutos, e são seguidos por um período refratário, durante o qual a dor desaparece…[i]

Sei ryoku zen yo“, o melhor uso da energia, é uma regra comum a muitas artes marciais que foi lembrada por Jigoro Kano Sensei. Muitos praticantes de artes marciais no entanto não procuram melhor usar essa energia mas sim tentam desenvolve-a tal como desportistas aumentam sua capacidade física, massa muscular ou resistência. Mais que nunca, o relaxamento é o único “segredo” da eficiência. Podemos apostar que a pratica marcial nasceu num contexto onde o homem tinha fortes probabilidades de enfrentar situações a beira da morte. Ferido, encarando oponentes em superioridade numérica, mais jovens ou melhores armados, o Bushi tinha como último recurso o aprimoramento e a sofisticação da sua arte. Uma técnica afastada da preocupação atlética mas sim norteada pela eficiência máxima do gesto. Um saber fazer autorizando a lutar do amanhecer ate o por dos sol revestido de uma armadura do mesmo peso que seu próprio corpo.

Os gestos do homem comum nascem da contração muscular. Cada ação queima energia e cria resíduos principalmente sob a forma de ácido láctico. Tal força permite de desenvolver uma enorme força durante espaço de tempo curto ou uma força limitada durante ume espaço de tempo maior. Aptidões inadequadas  quando é requerido ficar ativo e móvel agüentando um peso importante durante horas. É a razão pela qual as artes marciais preconizam um uso do corpo no qual os movimentos devem ser o resultado muito mais de um relaxamento que de uma contração. (…) para continuar


[i] P. Ginies, C. Chardenon1, J.-L. Fraimout e M. Villain  Tratamento com toxina botulínica de algias vasculares e neuralgia do trigêmeo

Anúncios