Fonte Gazette desportiva

A Confederação Brasileira de Judô (CBJ) anunciou nesta quinta-feira que vai adotar as novas regras de arbitragem determinadas pela Federação Internacional (FIJ) na segunda parte da seletiva para formação da seleção brasileira de 2010. Com participação de 48 judocas, disputa está programada para este sábado no Rio de Janeiro.

Pelas novas regras estabelecidas pela FIJ, estão proibidos os ataques diretos, com as mãos, abaixo da altura da faixa. A primeira punição será um shido e a segunda hansokumake (eliminação). O sistema já foi testado no último Campeonato Mundial sub-20, em outubro. “Só será permitido o ataque com as mãos às pernas no contra-ataque e como complemento de uma técnica”, explica o diretor de arbitragem da CBJ, José Pereira Silva.

Os brasileiros também tiveram a oportunidade de competir com a nova regra na semana passada, em São Paulo, quando foi realizada a parte inicial da disputa classificatória. Na ocasião, ninguém foi punido.

As etapas da seletiva para a seleção servem para quem novos nomes tentem desbancar judocas que estiveram no time verde-amarelo em 2009, mas não alcançaram bons resultados na temporada. Alguns nomes, porém, já estão garantidos, caso de Leandro Cunha, Nacif Elias, Flávio Canto, Tiago Camilo, Hugo Pessanha, Eduardo Santos, Luciano Corrêa, Leonardo Leite, Daniel Hernandes, Walter Santos, Sarah Menezes, Erika Miranda e Rafaela Silva.

Dois nomes de peso do judô nacional não estão em condições de lutar a seletiva: Carlos Honorato e João Gabriel Schlittler. Com isso, os atletas disputarão possibilidade de integrar a seleção brasileira em uma outra seletiva, prevista para o segundo bimestre de 2010.

“Não consegui me recuperar da lesão que sofri no Grand Prix no início do mês de novembro e, infelizmente, vou ficar de fora. Meu objetivo é lutar pela quarta vaga e, pelo menos, representar o país nas etapas brasileiras do Grand Slam e Copa do Mundo”, afirmou Honorato, prata em Sidney-2000.

Anúncios